As fragrâncias e seus subtipos: a história do perfume

Vai comprar um eau de parfum, desodorante colônia ou perfume? Conheça como as fragrâncias surgiram e evoluíram na história

As fragrâncias fazem parte da vida das pessoas e estão presentes em momentos especiais fazendo com que diferentes cheiros remetam a memórias afetivas. Mas na hora de comprar um desodorante colônia, eau de parfum ou parfum (perfume), você já parou para pensar como surgiram as primeiras fragrâncias e como elas evoluíram até o formato que conhecemos hoje? 

Para que você conheça mais sobre o mundo encantador das fragrâncias, conversamos com o nosso expert em Avaliação de Fragrâncias, Cesar Veiga, que nos contou como tudo começou.  

As fragrâncias e seus subtipos: a história do perfume 

A palavra perfume tem origem latim perfumum e significa “pela fumaça”. Em francês, o nome ficou parfum, dando origem a palavra que conhecemos aqui no Brasil. Vale explicar que o perfume é apenas uma classificação de produto dentro das fragrânciasAlém dele, temos ainda o Eau de ParfumEau de Toilette/Desodorante Colônia e Colônias.  

O olfato na pré-história 

Podemos dizer que o uso de fragrâncias começou na pré-história quando o homem aprendeu a dominar o fogo e o utilizou para queimar ervar odoríferas e madeiras para melhorar o sabor dos alimentos. A fumaça, então carregada de odores aromáticos, era responsável por aromatizar os ambientes. 

Essências se tornaram sagradas e artigos de luxo 

Com o tempo, os aromas se tornaram uma forma de conexão com o sagrado e passaram a ser uma espécie de homenagem aos Deuses e também serviam como instrumento para purificar o corpo 

As essências passaram a se tornar artigos de luxo e diversas guerras e mudanças aconteceram por conta delas. Ao mesmo tempo, ingredientes passaram a surgir em todos os cantos do mundo.  

O descobrimento de diversas formas de extrair os “óleos de flores” e o desenvolvimento do alambique pelos persas constituem as duas grandes revoluções da história das fragrâncias.   

Os mercadores do oriente são conhecidos até hoje por serem os primeiros a comercializarem ingredientes aromáticos, enquanto os egípcios e gregos dominaram a arte de confeccionar pastas e unguentos usados como medicamentos e para se perfumar. Os romanos foram os responsáveis por popularizar o uso das fragrâncias pelo seu vasto império.  

Como curiosidade, Cleópatra, a última rainha do Egito, dizem as histórias, recebia seus amores em uma cama de rosas e embebia as velas do seu barco com o mesmo óleo para ir ao encontro do general romano Marco Antônio, se tornando a primeira história de amor envolvendo o poder das fragrâncias.   

As fragrâncias na Idade Média 

Na Idade Média, os alquimistas árabes aperfeiçoaram o alambique e a técnica da destilação a vapor (uma destilação que usa vapor de água em substâncias para extrair sua essência) e, com as cruzadas, este conhecimento chega ao ocidente.   

A partir deste período, a preparação de óleos essenciais concentrados se tornou comum para fins medicinais e logo passando a ser usada também na perfumaria.  

Graças aos grandes descobrimentos e ao renascimento Florentino, entre 1490 e 1520, toda a Europa se apaixona pelas fragrâncias e seus subtipos como perfumes, eau de parfum e colônias, e novos ingredientes vindos do oriente pela rota da seda das especiarias passaram a ficar conhecidos, como a Canela do Ceilão, o Cravo da Índia, o Bálsamo do Peru, Pimenta do Reino, Guaiaco e Estoraque. 

Curiosidade: 

De tão adoradas que eram essas especiarias, elas atraiam várias embarcações para o Oriente, na região do Ceilão, nos séculos XIV e XVI. Canela, cravo, a pimenta-do-reino e a noz-moscada, se tornaram uma espécie de moeda de troca em negociações da época, era utilizada como moeda de troca para pagar serviços, impostos, dívidas, acordos, obrigações religiosas e servia até mesmo como dotes, heranças, reservas de capital e divisas de um reino. 

A paixão pelas fragrâncias na Europa 

Na era renascentista, as fragrâncias caíram no gosto dos europeus, se tornando popular em diversas regiões. Enquanto os Italianos usavam essências para perfumar luvas, acessórios famosos na época, a corte Francesa foi responsável por ditar modas do uso das fragrâncias pela corte.  

Uma região da França se tornava conhecida pela arte da perfumaria. Estamos falando de Grasse, popularmente chamada de “capital francesa do perfume”. Desde o século XVI, a região conta com grandes criações de rosas, jasmins, lírios e diversas outras flores, fornecendo matéria-prima para as grandes casas de perfumaria do mundo. 

O século XVIII é lembrado na história pelos odores suaves e frutados. Outra característica marcante da época é que as cortes da Europa já apreciavam o frescor das Águas de Colônia (que eram provenientes da cidade de Colônia na Alemanha) muito em moda no período.   

As fragrâncias como conhecemos hoje 

A industrialização na fabricação de fragrâncias por volta de meados do sec XVIII trouxe novos processos de obtenção de matérias-primas e também fez surgir os aromas sintéticos, ampliando as possibilidades de combinações. É nesta época que surgem as primeiras Maison de Parfum (em tradução Casas de perfumes) responsáveis por popularizar o hábito de se perfumar entre as mulheres da burguesia na época. Pouco a pouco, no início do século XX, as fragrâncias começaram a ficar mais acessíveis a todos. 

Atualmente, para se desenvolver uma fragrância, seja ela masculina ou feminina, é feita uma pesquisa de mercado e a identificação do público-alvo. Após, são feitas combinações de matéria-prima para encontrar a fragrância que combine com o conceito definido. Uma única fragrância pode conter de 30 a 300 ingredientes. Após encontrar a combinação perfeita de ingredientes, a fragrância passa por testes de qualidade e depois é envasada em um frasco, se tornando as fragrâncias que conhecemos hoje. 

Gostou de conhecer mais sobre a história das fragrâncias? Continue acompanhando o nosso blog para aprender tudo sobre o universo da perfumaria! 

* Fragrância é uma categoria de produtos e dentro dela se encontram diferentes subtipos de produtos como Perfume, Eau de Parfum, Eau de Toilette e Desodorante Colônia.