Mitos e verdades: perfumaria importada ou nacional?

Por que o senso comum afirma que a perfumaria importada é melhor? Saiba mais!

Compartilhar:

Desde o período da colonização portuguesa no Brasil se criou uma fantasia de que tudo que vem de fora é melhor. E quando falamos de perfumaria não é diferente. O senso comum costuma achar que a perfumaria importada produzida nos Estados Unidos e França têm fórmulas mais complexas e de melhor qualidade. Mas, será que isso é verdade? 

O primeiro ponto que vale a pena ressaltar é que uma fragrância brasileira de alta qualidade será composta, em sua maioria, por ingredientes importados. Segundo Cesar Veiga, especialista em perfumaria do Núcleo de Inteligência Olfativa do Grupo Boticário, o Brasil só produz dois tipos de óleos essenciais: Laranja e Fava Tonka (uma espécie de baunilha). Uma fragrância tem entre 50 e 130 ingredientes e boa parte deles são importados. A Lavanda, por exemplo, vem da França.  

Cesar Veiga explica que o brasileiro começou a ficar mais exigente a partir dos anos 90, o que fez a indústria se adaptar e buscar olfativos mais elaborados. Com décadas de experiência na área, o especialista afirma que a perfumaria brasileira é tão boa ou até mesmo melhor do os produtos internacionais.  

Se os ingredientes são basicamente os mesmos, o que muda entre os produtos de um país para outro? A sua personalidade. Por conta do clima no Brasil, o cliente daqui costuma preferir fragrâncias com mais contraste e frescor, como as notas florais. A fixação de um produto depende muito da nota escolhida e as cítricas e frescas costumam durar menos na pele. Com o tempo, a indústria brasileira aprendeu a equilibrar os cítricos e elementos frescos com uma base que dure mais, como as madeiras ou a baunilha.  

Enquanto no Brasil a preferência é por fragrâncias complexas, nos Estados Unidos um produto com um cheiro único é o que faz sucesso, como a interpretação literal de uma fruta. Já os europeus também gostam de complexidade, mas com foco em notas adocicadas, como a baunilha. 

Quer saber mais sobre esse assunto? Então, confira a matéria completa no site da Revista Elle e aproveite para assistir um vídeo sobre o tema.  

- Por Gabriela Petry