Retinol: tudo sobre o ativo do momento

Gustavo Dieamant, Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento no Grupo Boticário, contou o que é, para que serve e os benefícios do retinol para a pele. Confira!

Antes de falarmos especificamente sobre o Retinol, é preciso falar sobre os Retinóides, família a qual ele pertence. Chamamos de Retinóides todo composto pertencente a uma classe de derivados naturais ou sintéticos de Vitamina A, na forma em que é encontrada na natureza (ácido retinóico).

São exemplos de Retinóides: ácido retinóico, retinaldeído, retinol, palmitato de retinol, bem como os sintéticos: adapaleno e terazoteno. Mas nem todos podem ser utilizados em cosméticos e falaremos disso logo a frente!

Os Retinóides são considerados, dentro da classe dermatológica, como padrão ouro e são utilizados em várias desordens cutâneas, tais como acne, envelhecimento e diversos tipos de manchas escuras de pele, como melasma e hiperpigmentação pós-inflamatória.

A relação do retinol nos produtos

E sabem por que os Retinóides são tão consagrados em dermatologia e cosmetologia? Porque de todos os ativos aplicados topicamente, somente essa classe age em receptores biológicos específicos no núcleo das células para gerar benefícios incomparáveis. Todas as demais classes, atuam gerando benefícios de forma indireta e, por isso, são menos potentes.

Todos os Retinóides atuam da mesma maneira? Qual a diferença entre eles?

Podemos dizer que sim, todos atuam da mesma maneira e geram os mesmos efeitos sobre a pele. Todos os retinóides exercem sua ação por se transformarem em ácido retinóico na nossa pele!

Então, a diferença entre os retinóides está na sua classe química e, consequentemente, na sua potência. Alguns retinóides estão a apenas um passo de se transformar em ácido retinóico, enquanto outros, estão muito distantes disso. Quanto mais próximo de ser biotransformado em ácido, maior a sua potência e, dessa forma, maior seu efeito sobre a pele.

A figura abaixo mostra essas etapas de biotransformação dos diferentes retinóides na nossa pele:

Retinol: tudo sobre o ativo do momento

Todos os retinóides se transformam em ácido retinóico para atuarem em receptores específicos no núcleo das células da pele para então exercerem os seus benefícios. A potência entre eles varia de acordo com o número de processos que precisam sofrer para se transforem em ácido retinóico.

E por quê Retinol?

Em cosméticos não podemos utilizar a forma ácida (ácido retinóico), pois ele é considerado um medicamento, uma vez que por mais que seja mais potente, promove irritação excessiva à pele e pode estar relacionado a efeitos tóxicos. Por esse motivo, seu uso depende de um acompanhamento médico.

No entanto, em cosméticos, podemos usar os demais retinóides, como por exemplo, Palmitato de Retinol (éster), Retinol (álcool) e Retinaldeído (aldeído).

O palmitato de retinol (éster) é conhecido popularmente como “vitamina A oleosa” e sua eficácia sobre a pele é reduzida, uma vez que precisa passar por muitas etapas até se transformar em ácido, como vimos na Figura 1.

O retinaldeído (aldeído) é o mais potente dos retinóides permitidos em cosméticos, mas sua instabilidade e dificuldade de obtenção reduzem a sua aplicação pela indústria.

Já o Retinol é o mais amplamente utilizado pela indústria cosmética, uma vez que possui alta tolerância sobre a pele e ótimos e comprovados benefícios em muitas desordens cutâneas, como acne, manchas e envelhecimento. No entanto, como bom antioxidante, se oxida facilmente! Por esse motivo, é muito difícil encontrar um bom produto cosmético com Retinol no mercado: dizer que contém, não significa que foi feito da melhor maneira possível.

Para produzir um cosmético em concentração adequada de Retinol e mantê-lo estável e eficaz, é necessário muito conhecimento e muita pesquisa!

Benefícios do retinol na pele

Pelos motivos apresentados anteriormente, ao escolher um creme, maquiagem ou produto com Retinol, certifique-se de que está fazendo a escolha certa, para que possa contar com as maravilhas que esse ativo pode fazer na sua pele, por exemplo:

  • Prevenção e tratamento do envelhecimento da pele em todos os graus, uma vez que aumenta a taxa de renovação celular, aumenta a síntese de colágeno, elastina e ácido hialurônico, resultando em firmeza, elasticidade e hidratação profunda;
  • Uniformização do tom da pele, pois ao estimular a renovação celular, proporciona uma melhor distribuição da melanina na pele, reduzindo manchas;
  • Redução da oleosidade da pele, já que atua diretamente na glândula sebácea, reduzindo a produção de sebo.

Lembre-se que nenhuma outra classe de ativos consegue tantos benefícios na pele quanto o retinol!

- Por Gustavo Dieamant, Diretor Pesquisa e Desenvolvimento no Grupo Boticário