Saiba como funciona a cadeia produtiva dos cosméticos orgânicos

Descubra como funciona um dos principais pilares da linha Nativa Spa Orgânico

Processos produtivos que promovam a sustentabilidade ganham cada vez mais relevância na economia de mercado ao redor do mundo. Os consumidores se dividem entre os que já adotaram práticas sustentáveis no seu dia a dia e os que em breve o farão, diante da urgência de promover a preservação do planeta e dos recursos naturais. Além de optarem por itens que possuam uma trajetória de respeito com o meio ambiente, como os cosméticos orgânicos.

A sustentabilidade tem sido uma jornada também para empresas e meios de produção. Atento a essa tendência, lançamos a linha de cosméticos Nativa SPA Orgânicos, que conta com a certificação Ecocert/Cosmos.

Um produto ou cosmético orgânico deve ter uma cadeia de fabricação bem estruturada, que promove as melhores condições tecnológicas e produtivas. Ele é elaborado com ingredientes naturais e minerais, validados por uma certificadora, além de serem livres de GMO (ingredientes geneticamente modificados), e não deve ser testado em animais. Os benefícios devem impactar a todos os agentes envolvidos, desde o pequeno produtor, até a sua comercialização.

É a certificadora que valida os parâmetros exigidos para qualificar a cadeia produtiva como orgânica. No Brasil, a instituição Ecocert concede o selo, controlando protocolos e exigências desde os produtores das matérias-primas até o fabricante, chegando ao envase.

Exigências da cadeia produtiva dos cosméticos orgânicos

A cadeia começa no plantio dos insumos, com agricultores orgânicos que utilizam tecnologias adequadas para preservação do solo, clima, água e biodiversidade. Esses fornecedores homologados também passam pela auditoria da certificadora, que inclui análise das áreas físicas do plantio, tipo de equipamento e do adubo utilizados.

Após a colheita, completamente livre de agrotóxicos, a matéria-prima passa por um processo de seleção e limpeza, para garantir que não haja nenhum contágio, como plantas, pedras ou outro tipo de resíduo. Em seguida, os ingredientes são encaminhados para depósitos exclusivos, em que são armazenados em condições adequadas para manter a qualidade do material, evitando qualquer tipo de contaminação, até chegar ao seu destino para, então, haver a formulação dos cosméticos.

Durante a fabricação de qualquer tipo de produto ou cosmético orgânico são necessários procedimentos bastante específicos. As matérias-primas devem estar sempre separadas das convencionais, por exemplo. Este foi um dos motivos para que a fábrica do Boticário, em São José dos Pinhais, passasse por uma reformulação e adaptações, cumprindo exigências para a certificação.

Parte do protocolo de fabricação, a higienização ao final da produção é feita com o uso de detergente e sanitizante permitidos pela certificadora. “Desde o recebimento das matérias-primas, até o processo de expedição do produto envasado, a fábrica possui um ambiente exclusivo, para evitar contaminação cruzada, além de protocolos de higienização diferenciados e utensílios específicos para cada tipo de produto”, comenta Paulo Roseiro, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento do Grupo Boticário.

Para assegurar a rastreabilidade de toda essa cadeia, a certificadora gerencia todas as etapas e procedimentos, por meio de auditorias anuais e validação de documentações, como técnicas e processo de plantio, adubos utilizados, até a fabricação e transformação da matéria prima em produto para o consumidor final. Garantindo que o fluxo seja 100% de acordo com os referenciais estabelecidos pela instituição.

Para conhecer a linha Nativa Spa Orgânicos é só clicar aqui.